"Apenas sentimentos, refletidos através de uma conversa, filme, livros, séries, tudo aquilo que nos faz enxergar a vida de uma forma diferente e irrefletida em nossas emoções".

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

O Amor Platônico



Todo mundo um dia, sentiu esse tipo de amor, essa ilusão passageira ou fixa, que muitos hoje falam que é uma louca obsessão, mas que até hoje existem pessoas que preferem continuar neste amor a se arriscar a conquistar ou a ter esse alguém ou algo que desejamos.
Para Platão o idealizador desse amor, existem dois tipos: Ilusório (pensamento, sonhos, desejos, percepções) e o Material ( corpo, sentir, tesão).
Quando vamos fazer uma pesquisa sobre o Amor Platônico, voltamos ao tempo dos grandes Deuses, Platão nos fala de amor no seu Livro o Banquete, Sócrates sabedor das palavras mas sem eloquência, necessita de explicações, pois enxerga o amor como algo belo e bom, daí vem a surgir o grande Deus do Amor Eros , aquele que tem sede e fome, anda faminto por amor, pois acredita ser este o seu maior desejo.
Já em algumas pesquisa encontraremos o amor de Platão como algo puro e desprovido de paixão.
Mas, o que é realmente o tal Amor Platônico? É aquele sentimento que só tem uma via, aquela idealização do outro, aquele desejo e afeto por outrem que você só conhece de passagem, mas de alguma forma ela fica na sua mente, é quando você admira tanto alguém que se julga apaixonada por ela, é quando você não para de pensar, bisbilhotar e quer saber sobre está pessoa, é o desejo pelo seu perfume, todas as suas atitudes são interligadas para ela, mas principalmente, é quando você não conhece realmente a pessoa e a idealiza, pois a partir do momento que você tem o contanto com ela direta e a conhece, esse amor acaba, pois você não aceita seus defeitos, não reconhece mas suas qualidades, é sua ideologia.
Então amar platonicamente, é bom pois não causa nem um sofrimento, mas lhe prende a solidão, acredito que ainda , mesmo com todos os medos de se machucar, é melhor viver um amor, do que deixar de vivê-lo, é se aprofundar no conhecimento e aprender com os erros.
Então vamos lá, porque viver platonicamente é se fechar, vamos tentar encontrar o outro e não idealizar tanto.