"Apenas sentimentos, refletidos através de uma conversa, filme, livros, séries, tudo aquilo que nos faz enxergar a vida de uma forma diferente e irrefletida em nossas emoções".

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Morte



Esse é um tema um tanto fúnebre mas realista, todos um dia iremos passar por ela, e ninguém pode dizer quando será esse momento, ninguém sabe quando deixaremos de nos alegrar com pequenos gesto e nem quando o céu acaba.
Só nos sentimos perto da morte, quando algo nos faz lembrar desse fato, que somos frágeis e passageiros ou quando alguém perto de nós acaba de falecer, ai vem todo um sentimento, medo, revolta e principalmente aquele momento de união com Deus.
Existem várias maneira de se morrer, uma tem o suicido ( negada as bençãos divinas por todas as religiões), doença (aflição constante por não sabe quando será o fim), assassinato (inesperado, ás vezes com sofrimento outros rápidos), acidentes ( ainda com sofrimentos, em coma ou simplesmente a morte) e a desejada por todos aquela morte dormindo ou do coração pá pou kkkkk, no final todas irão nos levar a um caminho a morte.
Depois de morto ainda temos aquele ritual, bem não mais como os antigos, já pensou ser como um faraó embalsamado esperando retornar ao corpo já podre e fedendo depois de longos tempo, seria dramático andar na rua e encontrar a múmia, vamos ao nosso ritual aquele momento do velório onde se reúne todos para falar o quanto o defunto era bom e amado (até os inimigos), tem sempre um parente que se acaba de chorar em cima do defunto, que fica todo mundo com pena, reparem na roupa que ele está vestido, nas flores e claro não esquecendo o que tem para comer, pois só o café não dá, ficam em grupo olhando toda a movimentação e depois até que enfim,  vamos ao cemitério enterrar, lá ainda tem mais ritual, alguns fazem oração e quando o caixão vai descendo tem aquele momento que um grita EU VOU JUNTO - todos olham chocados quem foi? Ai os parentes se reúnem jogam um pouco de terra ou flores e vão embora viver suas vidas.
Ai você pensa acabou? Claro que não, tem a briga familiar, dividir até as calcinhas e cuecas do defunto e desta forma, agora sim, poder falar o quando ele não era tão bonzinho, mas confabular como suas coisas fiam melhores em você, claro você tá vivo e ele já foi DESTA PRA MELHOR MESMO, e esquecer de novo esse sentimento de morte.