"Apenas sentimentos, refletidos através de uma conversa, filme, livros, séries, tudo aquilo que nos faz enxergar a vida de uma forma diferente e irrefletida em nossas emoções".

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Amor Impossível





Bem, meu amigo escreveu sobre Amor Impossível e achei sublime, explicando detalhadamente o que todos queremos, desejamos e ansiamos, mas muitas vezes por motivos adversos não podemos ter, então a vida nos faz de uma forma brincalhona para ela que aprendemos com esse sofrimento, então abaixo está o texto desejo a todos que se deliciem.


Amor Impossível

por thelostvlaxio

Queria um amor inocente. Um amor que não esconde coisas atrás de olhares. De sincero, cria confiança. De delicado, cria respeito. De verdadeiro, cria desejos. Uma pessoa sã, artística e receptiva. Uma pessoa madura, infantil e divertida. Uma pessoa crua, intuitiva e recíproca. Alguém com hálito de águas correntes, contornos de Adônis e coração de Cristo, mas com um quê de Lúcifer íntimo e acessível.
Queria viver ao lado desse amor sem medo. Viver sem escarnecer da relação, e adorá-lo como uma parte de mim que jamais serei, embora o tente até o fim da vida. Quero uma pessoa a quem eu possa admirar serenamente, alguém com quem eu fique surpreso secretamente, e com quem eu chore silenciosamente. Quero alguém que eu possa saber o que sente por seus gestos, conhecer seus medos por sua ternura, e afastar sua tristeza com meu amor em retorno.
Quero alguém em cuja boca repouse palavras completas e claras, que sejam sábias, coesas e poéticas. Um amor com quem eu possa dividir histórias mil, ainda que somente através das páginas de um livro desconhecido, ou das cenas independentes de um filme vazio. Uma pessoa que ouça o que eu tenho a dizer, mesmo que nenhum som seja emitido. Alguém solitário e acompanhado. Alguém que saiba amar em silêncio.
Quero passar os dedos no rosto desse alguém, afagar seus abraços e conduzir seus movimentos. Quero dançar sem música, compor sem partitura e envelhecer com sua ajuda. Quero que façamos amor, lenta e ternamente, como se nossos corpos fossem sagrados um para o outro, e assim o serão, se ultrapassarmos os limites do desejo e transcendermos os prazeres carnais.
Quero uma pessoa para quem não precise dizer eu te amo. Uma pessoa que eu possa adorar no sentido humano e divino. Alguém com quem eu construa espiritualidade sem religião, morais sem preconceitos, paixão sem cobrança. Almejo dividir o luar, compartilhar o som do mar, ansiar por seu bem-estar. Quero um amor que precise de mim na mesma proporção da minha necessidade por ele.
Quero a vida para ser bela, as estrelas para brilhar, as memórias para recordar, e um romance para contar. Sou pó, e serei para sempre pó, se apenas o tiver ao meu lado, como pó de um mesmo areal. Quero alguém que se vista de branco e de vermelho, e em ambas as cores permaneça o mesmo. Aquele amor que sempre quis, que sempre desejei, e que nunca terei.
Não o terei, porque não existe. Tal amor lança mão da realidade, e poderá habitar apenas meu mais sombrio imaginário. Algo como tal amor não se sucede à vida, mas fica restrito às interpretações de uma tragédia, encenadas através de óperas. Esse amor tem nome. E por mais que não goste de sua graça, ainda devo pronunciá-la. Seu nome é Impossível. E impossível é esse amor que dorme nos travesseiros da alma e janta nos banquetes da loucura. Meu amor, o infinito.
Vlaxio.