"Apenas sentimentos, refletidos através de uma conversa, filme, livros, séries, tudo aquilo que nos faz enxergar a vida de uma forma diferente e irrefletida em nossas emoções".

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Tudo a seu alcance

A vida é hoje é prática: cada mulher escolhe como quer ser e, com um pouquinho de força de vontade, tempo e dinheiro, pode se transformar fisicamente a tal ponto que não será reconhecida na rua nem pelo próprio marido.  As mulheres têm a capacidade de enganar um homem no aspecto externo, bem entendido quanto quiserem.  Para que ele perceba, precisa ser muito, mas muito esperto.  Começando pelos cabelos: qualquer bela morena de cabelo enroladinho, pode com a ajuda de um bom cabeleireiro, se tornar uma perfeita descendente dos vikings, no espaço de algumas hora.  Há quem garanta que é possível não só aumentar o bumbum como arrebitá-lo, copiando as cabrochas das escolas de samba e, dos peitos, nem se fala.  Quem precisa da natureza hoje em dia? Quem quiser pode ter unhas tão longas quanto as das vamps de Hollywood ou adquirir o mais lindo tom de pele, longe da praia, com uma boa lâmpada solar ou um creme auto-bronzeador.  Para quem não teve a sorte de nascer com um corpo de deusa, nenhum problema: uma dieta e três horas por dia de musculação transformam qualquer ruína ambulante na maior das gatas.  Leva um tempinho, mas é o melhor investimentos.  Com tantas atividades, não sobra tempo para mais nada.  Mas qual o interesse em saber da taxa de juros? No máximo, a cotação do dólar; que deve estar sempre na ponta da língua.  Aliás, em termos culturais, as poucas horas disponíveis serão preenchidas com as revistas nacionais e estrangeiras de moda e modismos.  E preciso saber que grife está mais em alta, se Gucci ou Prada, e qual a manequim de maior sucesso nas passarelas de Paris e Milão.  Como essas informações mudam a cada dia, o momento de se aprofundar é durante a pedalada ou a corrida na esteira.  Qual a pior coisa que pode acontecer a uma mulher com uma vida tão intensa?  Bem, será péssimo se ela se apaixonar, e pior ainda se ele for um homem calmo, que detesta ir às festas e só lê o caderno dos jornais e as páginas de esportes.  Para agravar a tragédia, esse homem pode desejá-la só para ele, e pior do que tudo, do que absolutamente tudo: querer ter um filho.  Isso seria demais; no fundo, bem no fundo, uma vontade de destruí-la.  É bem verdade que um filho pode dar algum ibope quando se tem uma boa divulgadora, mas e o corpo? E o peito que vai cair; e as estrias?  E as viagens, os fins de semana em lugares paradisíacos, sem uma só preocupação, uma só, que não seja o filtro solar?  A vida é difícil, para não correr nenhum risco o lance é trancar o coração, o que aliás nem é assim tão difícil.  Afinal, um homem capaz de se apaixonar não costuma ir às festas a que ela vai.  E se um dia ele tiver ciúmes, ficar gripado, essas coisas?  E se for pobre?  Pois um homem a praia, bronzeado, de sunga, pode ser qualquer classe social, melhor dizendo, econômica.  Pensando bem, diga-me, diga-me, espelho meu, a vida tem algum sentido longe desse mundo?  A resposta para algumas é sempre segura, e sempre a mesma. Não.


Danuza Leão
(Revista Cláudia, Dezembro/2006 em Conversa com Danuza)