"Apenas sentimentos, refletidos através de uma conversa, filme, livros, séries, tudo aquilo que nos faz enxergar a vida de uma forma diferente e irrefletida em nossas emoções".

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

MERDA NA CABEÇA

- Sabe falando-lhe francamente, eu acho que você tem merda na cabeça!
- Verdade? Engraçado: eu sempre pensei a mesma coisa de você, o que prova que vemos a merda com óticas diferentes.


Este diálogo não está tão absurdo quanto pode parecer, numa época em que os valores mudam tão rapidamente as pessoas embarcam juntas, neste redemoinho transformacional que é nossa sociedade, transformando o interior dos seres em verdadeiro caos.  Poderia até mudar-se a letra do enredo de determinada escola de samba, que ficaria assim: "Este ano vai dar merda na cabeça..." A cada ano que passa os verdadeiros valores, tanto morais quanto sociais, perdem seu valor, dando vez a uma série incontável de futilidades.
Pode parecer que estou olhando apenas da minha ótica, sem levar em conta o ponto de vista dos outros.  Mas creio que determinados valores, independente de tempo e espaço, valem da mesma forma.  Estes valores a que me refiro, são amizade, amor, gratidão, entre outros.  e o que vemos, atualmente, é uma geração cada vez mais dando menos valor ao amor e à amizade, que passaram a depender de uma série de fatores.  e, cada vez mais, encontramos pessoas sofrendo de uma doença causada exatamente pela falta de amizade: a solidão!  São pessoas que, ao olharem para o lado e buscarem a ajuda de alguém, descobrem, muitas vezes tardiamente, que não têm amigos, que estão sozinhos e então sofre, adoecem e morrem.
O amor é outro valor que está perdendo o valor, dando vez a uma busca sôfrega ao físico, pura e simplesmente, fazendo com que os jovens esqueçam que o amor físico acaba facilmente, se não houver uma base sentimental sólida.  Mas o culto ao físico, esta forma de narcisismo imposta aos jovens pela propaganda massificante das novelas, talvez seja um dos principais meios com os quais estão incutindo "merda" na cabeça das pessoas, em especial das mais jovens.
Este desabafo não me vem à cabeça sem propósito, mas de determinadas observações e necessidades minhas, agravadas nestes últimos dias, onde o ócio obrigatório e a vã procura de alguém que pudesse dar-me forças, me levaram a um deprimente estado de semi-loucura.  e eu, neste estado, olhando para o lado, vi algumas pessoas, ladeadas de outras, com esta felicidade toda e simplesmente não sabendo aproveitar a situação, achando até "chato" estarem ali sozinhas, sem nada a fazer!  Quem me dera ter alguém do meu lado, para conversar e ajudar, ser ajudado, tirar-me desta letargia crônica!... É, mas muitas vezes não valorizamos os bens que temos às mãos, preferindo apenas desejar o que os outros possuem, ou o que poderíamos aquirir.
Pode ser que ao ler esta folha, alguém pense: "Este cara tem merda na cabeça"! Será?


Livro:  Um Homem apenas...
Autor: Orígenes Júnior